Quem sou eu

Minha foto

Inteligência Operacional é uma empresa criada por André Soares que é o seu Diretor-presidente. É pioneira no país na formulação e emprego de doutrina de Inteligência própria, consolidada oficialmente em suas obras publicadas, visando ao aperfeiçoamento da cidadania e do Estado Democrático de Direito no Brasil, em obediência aos princípios constitucionais, por parte das pessoas, organizações e instituições públicas que exerçam a Inteligência de Estado.

terça-feira, 16 de janeiro de 2018

"A arte de votar ...... ou não votar!"


Artigo de André Soares - 16/01/2018



“Vivemos num mundo de manipulação!” Quer saber como manipular pessoas? Então, olhe-se no espelho, reflita e responda – Em que você acredita? Qualquer que seja a resposta, seja lá o que for que as pessoas digam acreditar, trata-se de ideias alheias, não delas mesmas. Ou seja, as pessoas acreditam em ideias que outros colocaram em suas mentes. Isso é manipulação. Por que as pessoas não tem ideias próprias? Porque não sabem pensar – mas, sabiam. Assim, o primeiro passo para a manipulação consiste em destruir a lógica, que é a essência do raciocínio. Após destruir a lógica, com as pessoas não sabendo mais como pensar corretamente, elas passam a acreditar em qualquer coisa que lhes disser, e assim o manipulador passará a pensar por elas. Nesse sentido, o carismático cantor Zé Ramalho abordou subliminarmente essa questão em sua histórica canção “admirável gado novo”, desvelando que o Brasil não apenas é terreno fértil para manipuladores, como também que a nação do “me engana que eu gosto” se presta a essa manipulação. Nesse mister, uma das manipulações mais entranhadas no seio sociedade brasileira é acreditar na mentira que o voto obrigatório no país é o mais poderoso, legítimo e principal instrumento democrático de cidadania para a participação popular na construção nacional e solução de seus gravíssimos problemas.

Somente uma nação gravemente doente acreditaria em tanta mentira. E, consequentemente, o Brasil já está sofrendo o terrível ônus de tamanha manipulação. Afinal, o caos do colapso político nacional ainda vai piorar. Ainda mais porque a sociedade brasileira, em seu estado demencial, persiste em culpabilizar exclusivamente a classe política pelo estado corrupto que se instalou no país; quando na verdade se esquiva covardemente de reconhecer que os líderes das organizações criminosas que atualmente comandam o Brasil foram alçados legitimamente a governantes máximos, por terem sido eleitos e reeleitos sucessivamente pelo voto obrigatório idolatrado por essa mesma sociedade.

Portanto, a verdade histórica, comprovada cabalmente e inapelavelmente, por sentença transitada em julgado, em última instância, vaticina que definitivamente os brasileiros não sabem votar. Ponto final! Pergunta-se, então: “uma sociedade manipulada que inexoravelmente sucumbiu democraticamente pelo voto, pode se salvar pelo voto?” A resposta é mais que óbvia: “Não. Essa sociedade vai se suicidar pelo voto”. Exatamente como continuará acontecendo, seja nas eleições presidenciais de 2018, seja nas demais. Significa que, enquanto a sociedade brasileira continuar doente pela manipulação, pouco importa quem serão os futuros presidentes e ocupantes dos demais cargos eletivos no país. Porque o suicídio nacional será mera questão de tempo.

Nesse contexto caótico nacional, é imperioso ressaltar que “não se deve salvar um país de si mesmo”. Exatamente porque “cada povo tem o governo que merece”. Da mesma forma, toda e qualquer manipulação só pode ser vencida pela reação espontânea de suas vítimas. Portanto, caberá a cada brasileiro libertar-se por si mesmo, para a salvação nacional. Para isso, deverá inicialmente desconstruir toda a manipulação da qual é vítima, para posteriormente ter condições de aprender a arte de votar, e também a arte de não votar.

Assim, compreender-se-á o verdadeiro significado do voto democrático, que é completamente contrário ao que se pratica no Brasil. Mas, antes ainda, é preciso entender que a democracia é um modelo de organização social de alto nível, cuja concepção e eficiência política está vocacionada somente a países desenvolvidos e com sociedades de elevado padrão de cidadania, como Suíça, EUA, Alemanha, Inglaterra, França, dentre outros. Assim, contrariamente, quanto menor for o desenvolvimento dos países e menor for o nível de cidadania de suas sociedades, menos eficiente será o seu sistema político-democrático; que chegará até mesmo a se tornar nocivo. Porquanto, em condições desfavoráveis, o sistema democrático se transforma em terreno fértil para a corrupção generalizada, a exemplo do que vem ocorrendo no Brasil, há décadas.

Compreende-se, então, porque a sociedade brasileira “galopa” na contramão da democracia, ao perpetuar a instituição insidiosa de um crime hediondo: o voto obrigatório. Porque o voto democrático é acima de tudo um direito absoluto dos cidadãos. E a condição “sine qua non” de todo direito é ser facultativo, significando que o exercício do voto deve estar submetido à mercê do livre arbítrio dos indivíduos. Desta forma, a obrigatoriedade do voto é uma das hipocrisias da política brasileira, cuja prática deletéria é a genealogia das graves distorções do nosso modelo político-eleitoral, a se perpetuarem na retroalimentação da “escravidão” do eleitorado brasileiro aos interesses espúrios da classe política dominante, demandando a degenerescência a que chegamos.

E como se deve votar democraticamente? No partido, ou no candidato? Deve-se votar no candidato que defende os seus interesses pessoais ou corporativos, ou naquele que defende os interesses nacionais?

Resposta: Votar civicamente é escolher concomitantemente o partido e o candidato que melhor representem os interesses nacionais, sob a égide dos ditames constitucionais e do estado democrático de direito.

Mas, agora vem a pergunta mais importante: “E se eventualmente inexistir partido e/ou candidato que melhor representem esses valores sob a ótica dos eleitores? Como se deve votar?”

Resposta: “Simplesmente não se deve votar. Ponto final!” Porque votar em quem não represente a vontade genuína do eleitor é atestado de estupidez comprovada e desvirtuamento do processo político e eleitoral. Portanto, o eleitor que decide votar na coligação ou candidato que julga ser o menos pior, está denegrindo sua participação política, depreciando o processo eleitoral, elegendo os piores governantes para o país, e jogando o Brasil no precipício político, como historicamente vem ocorrendo. 

Destarte, a arte de votar consiste na reação urgente da sociedade brasileira em extinguir a obrigatoriedade do voto no país, transformando-o verdadeiramente num direito dos cidadãos, que é o voto facultativo. E a arte de não votar consiste num importante instrumento de aprimoramento democrático e de valorização do voto por parte do eleitorado, abstendo-se de votar, seja quando inexistir candidato ou partido que representem seus anseios, seja em contraposição e protesto contra a obrigatoriedade do voto.

Portanto, cabe ao eleitor-cidadão e a toda sociedade brasileira a coragem de libertar-se dessa abjeta manipulação política, dignando-se a não participar dessa farsa eleitoral e protestando cívica e legitimamente pelo exercício do seu pleno direito constitucional de NÃO VOTAR. Acredite, se você quer contribuir civicamente para a desconstrução do corrupto sistema político, então pare de ser conivente com ele e NÃO VOTE. Esta é a postura patriótica mais constitucional, legítima e pacífica para a solução desse caos político. Porque o Brasil não sofrerá qualquer contingência com essa atitude social, a qual demandará um impasse intransponível que implodirá o caótico sistema eleitoral, abrindo espaço para a tão alardeada reforma política, cuja principal reformulação é a extinção do voto obrigatório e a adoção do voto facultativo.

Caso contrário, como “cada povo tem o governo que merece”, assistiremos brevemente o Brasil ocupar o seu devido lugar, ladeando junto aos países corruptos de 5ª categoria. E adeus democracia.


Nenhum comentário:

Postar um comentário